Dia Internacional da Síndrome de Down: a importância do Cirurgião-Dentista no cuidado com pacientes especiais

Neste 21 de março, Dia Internacional da Síndrome de Down, o Sistema Conselhos de Odontologia reforça a importância do Cirurgião-Dentista no tratamento de pacientes especiais de forma cada vez mais inclusiva, humanizada e integrada à equipe multiprofissional que assiste esses pacientes. A Síndrome de Down é uma alteração genética produzida pela presença de um cromossomo a mais nos núcleos das células; no caso o cromossomo 21, levando então à trissomia do cromossomo 21.

De acordo com os dados da Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD), estima-se que no Brasil 1 em cada 700 nascimentos seja de crianças com trissomia do cromossomo 21, que totaliza em torno de 270 mil pessoas com síndrome de Down. Já no mundo, a incidência estimada é de 1 em 1 mil nascidos vivos. A cada ano, cerca de 3 a 5 mil crianças nascem com síndrome de Down.

Pacientes com a Síndrome de Down apresentam características específicas que fazem com que a atenção à sua saúde bucal requeira maior cuidado e atenção. Isso porque os pacientes geralmente apresentam alterações nos dentes e estruturas envolvidas na mastigação, deglutição e respiração que devem ser acompanhados e tratados preferencialmente de forma precoce. Além disso, alterações de ordem sistêmica nesses pacientes também podem impactar sua saúde bucal e vice e versa.

Para o Doutor em Odontopediatria e Tesoureiro do CFO, Luiz Evaristo Volpato, pacientes com Síndrome de Down requerem uma atenção diferenciada por parte do Cirurgião-Dentista. “Esse grupo particular de pacientes apresentam alterações como o nascimento tardio dos dentes de leite e frouxidão muscular (hipotonia), o que interfere na amamentação, na respiração e na mastigação. Isso contribuirá para a ocorrência de alterações no desenvolvimento dos ossos maxilares e no posicionamento dos dentes, levando a problemas de oclusão. Fazer o acompanhamento com o Cirurgião-Dentista desde a primeira infância e no transcorrer da vida é fundamental para a manutenção da Saúde Bucal do indivíduo com Síndrome de Down”, explicou.

Rafael Marra, Presidente do Conselho Regional de Odontologia de Tocantins (CRO-TO) e pai da Linda Mariano Marra, de 1 ano e 11 meses, com Síndrome de Down , destaca os desafios enfrentados para a promoção da saúde bucal em pacientes com essa condição: “É importante que a criança, por possuir uma coordenação motora frágil, que sua musculatura seja fortalecida através de massagens no céu da boca a fim de expandir a região. Além de uma visita recorrente ao Cirurgião-Dentista para criar um vínculo, o acompanhamento ao fisioterapeuta, também, é de extrema importância na ajuda de uma futura escovação sozinha”, destacou.

Curiosidade

O Dia Internacional da Síndrome de Down é comemorado no dia 21 de março em referência à trissomia no cromossomo 21, que são em pares, mas por conta alteração possui um terceiro cromossomo, ou seja, a trissomia do 21, dia 21 do mês 3.

Por Camila Melo, Ascom CFO.
imprensa@cfo.org.br